De acordo com os dicionários, ética se refere à conduta hu­mana sob o ponto de vista do bem e do mau; ou seja, do certo e do errado no modo de agir. É uma avaliação dos nossos com­portamentos que demonstramos aos outros, especialmente em relação aos valores, regras, aspectos culturais e etc.

Dentro de uma organização creio que vale a pena ser um profissional ético, apesar das situações adversas que podemos encontrar no dia-a-dia das empresas, nas relações interpesso­ais, em negociações e em vários outros momentos e condi­ções que podemos observar e estarmos inseridos. A ética ainda é valorizada.

Ética organizacional é um conjunto de princípios e padrões que orientam o comportamento no ambiente corporativo e de negócios. E claro, uma empresa quer muitas vezes ser bem vista, e assim procuram comunicar uma imagem responsável e ética para os seus públicos de interesse.

Várias bibliografias tratam da ética, das etiquetas e regras de comportamento, das normas de conduta e do respeito como valores essenciais para o sucesso tanto empresarial como também pessoal. Então a ética é algo evidenciado e considerado por organizações e pessoas, especialmente pelos que lideram as instituições.

Todo profissional carrega dentro de si valores pessoais, fa­miliares, religiosos e outros que foram percebidos, adquiridos e desenvolvidos durante sua vida, e leva isso para dentro das orga­nizações e empresas em que atuam. Devemos perceber também, especialmente antes de ingressarmos dentro de uma organização, quais os valores e códigos de conduta que estão em prática no ambiente de trabalho, qual tipo de comportamento espera dos seus colaboradores e se tudo isso é interessante e aceito pelo pro­fissional que vai ingressar e buscar evolução na instituição.

Nas relações entre corporações, especialmente as de grande porte, a ética é algo imperativo nas negociações, aquisições, cria­ção e fortalecimento de parcerias, governança corporativa e etc. Os líderes e gestores destas organizações devem ser exemplos de conduta ética e transparências nos negócios e nos relacionamen­tos que realizam, e são exigidos para agirem dessa forma.

Devemos perceber em nossas atitudes e comportamentos aquilo que estamos comunicando aos demais colegas e colabo­radores. Gestos, formas de conduta, etiqueta, aparência, expres­sões, controle ou inteligência emocional e etc. formam nossa imagem e somos avaliados por isso.

Podemos pensar como es­tamos praticando nossa conduta e valores em relação aos outros e também perante a organização. Está condizente? Estou sendo sincero comigo mesmo e com os outros? Transmito transparên­cia? Trabalho a empatia? Como os outros me enxergam?

Ser ético, não só como profissional, mas como pessoa antes e acima de tudo, vale muito à pena! E pode ser até um diferencial no mercado de trabalho, cada vez mais competitivo e exigente em termos de colaboradores ambiciosos (no sentido de busca­rem crescimento e inovações), mas também éticos, responsáveis e exemplos de boa conduta. Muitas empresas não avaliam os profissionais apenas dentro do local de trabalho, mas quando este representa a instituição em algum evento externo ou mesmo quando estamos em momentos informais, podemos estar sendo avaliados em termos de comportamento e integridade pessoal.

Se me perguntarem quais os valores que eu acredito serem interessantes para ser um profissional ético, posso citar alguns como exemplo e reflexão: carisma, cordialida­de, empatia, humildade, coerência, dedicação, honestidade, dignidade, solidariedade e outros.

É fácil ser este tipo de profissional? Depende de você. Ser ético exige atitude! Pense nisso!