Com a crise causada pelo novo coronavírus, uma situação que as empresas devem enfrentar e gerenciar são as prováveis perdas de valores dos seus ativos, sejam eles monetários ou não.

Investimentos, aplicações financeiras, duplicatas e outros recebíveis podem sofrer perdas com falta de liquidez, perdas aos valores de mercado, ao valor justo ou com aumento da inadimplência. Estoques e ativos do imobilizado podem também sofrer perdas ao seu valor recuperável. No caso dos estoques de revenda ao seu valor de venda líquido, caso este seja menor que o custo de aquisição; para estoques que não são para comercialização, mas para uso num processo produtivo ou de serviço, deve avaliar o seu valor de custo e o valor corrente de reposição.

Para os ativos imobilizados, se o valor do custo de aquisição for menor que o seu valor recuperável (que é o maior valor entre o de uso, baseado num fluxo de caixa dos benefícios econômicos trazidos a valor presente, e o valor justo líquido de despesa de venda, voltado para um valor de negociação entre duas partes interessadas numa transação não forçada), deve também reconhecer a perda.

Na prática pode não ser fácil, pois obter tais informações e cálculo dos valores pode ser custoso para as empresas, principalmente as de pequeno e médio porte; porém acredito que os benefícios que tais análises podem gerar, principalmente de forma gerencial, são importantes neste momento que estamos vivendo.

Também acredito ser importante as empresas fazerem provisões para as contingências passivas. Ou seja, ao analisarem que há um custo estimado com confiabilidade e que há uma obrigação provável com a saída de recursos, especialmente com a situação vivida com demissões e renegociações, separar uma parte do caixa ou gerar uma reserva para suportar tais contingências que podem ser ou tornar obrigações. Tais saídas podem impactar o negócio e prevenir pode ser necessário para evitar maiores surpresas e prejuízos.

Tudo isso pode trazer para a gestão informações mais relevante e fidedigna, auxiliando em tomada de decisão mais eficiente e eficaz. O cenário atual enfrentado exige das empresas uma visão mais atenta, um controle mais efetivo, energia e criatividade para poderem se manter, além da revisão dos seus processos, gastos e investimentos. Ter informação correta e tempestiva é crucial em todo este processo.

A sobrevivência dos negócios depende de uma série de fatores e de administração mais ativa; sendo necessário readequar as empresas para esta nova situação. Por isso é importante avaliar as prováveis perdas nos valores dos ativos, que são recursos controlados pelas empresas capazes de gerar benefícios econômicos, mas que podem estar com esta capacidade afetada e reduzida atualmente e também avaliar as prováveis saídas de caixa com as contingências passivas.

Sugiro lerem as normas contábeis aplicadas às perdas dos valores em ativos, como a NBC TG Estrutura Conceitual – Estrutura Conceitual para Relatório Financeiro, NBC TG 01Redução ao Valor Recuperável de Ativos, NBC TG 48 – Instrumentos Financeiros, NBC TG 47 – Receita de Contrato com Cliente, NBC TG 16 – Estoques, NBC TG 27 – Ativo Imobilizado, NBC TG 25 – Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes; dentre outras que foram bases para este texto.

Para auxiliar em toda esta análise dos ativos e também das contingências passivas, procure sempre um contador regularmente habilitado, com certeza neste momento de crise ele é o que vai ajudar na saúde do seu negócio.

Sucesso para todos!

Demetrio Luiz Pedro Bom Junior

Contador e Administrador de Empresas

CRC SP-315480/O-1 / CRA SP 78891

Diretor Educacional Suplente – AESCON Ribeirão Preto

E-mail: [email protected]